27.9.09

Sobre o Branco


O filme é o segundo daquela trilogia das cores que mencionei anteriormente. Chama-se A Igualdade é Branca e trata de Karol Karol, um polonês que é obrigado a passar uma temporada na França para as formalidades de seu divórcio com Dominique Vidal, sua ex mulher.

No tribunal, Karol perde a causa, tendo que pagar pensão á Dominique, que o humilhou dizendo que a causa do pedido do divórcio é que o casamento não foi consumado. Ai, essa doeu.

Mas a crueldade de Dominique não para por aí. Depois de tirar todo o dinheiro de Karol, e deixar que ele virasse um mendigo em Paris enquanto ela dispunha de um apartamento confortável o bastante para ambos, ela o maltrata se exibindo com homens, sabendo que ele ainda a ama.

Pois bem. Karol não deixará essa passar em branco. Ele volta à Polônia e dá início a um processo de vingança muito bem bolado.

Cuidado, eu diria a Dominique. Esse sangue eslavo sabe como dar o troco. O filme é em geral triste, visto do ponto de vista de Karol e sem narração qualquer.

Bem típico de filmes franceses, é objetivo e, ao mesmo tempo, meio "nublado", se é que eu tenho alguma moral para usar esses termos.

Tem o amor, certa ternura, mas por outro lado tem a vingança. Mas esse não é bem o final que uma trama de amor deveria ter. Certamente, Karol não fica feliz, mas, talvez, tranquilo. E Dominique, sempre inabalável, agora compreende, que, seja lá qual for sua nacionalidade, a igualdade é necessária. Branca? Nesse caso, me está mais para o vermelho, mas deixa ser. Nosso diretor Krzysztof quis assim.


2 comentários:

  1. Você conseguiu baixar a trilha sonora ?

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Quanto tempo... Sorry, ando enrolada!
    Fiquei interessada pelo filme! Suas resenhas são ótimas!
    Bjs!

    ResponderExcluir